quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

Mostra Cinema e Direitos Humanos entra em cartaz em Niterói no NPD nesta segunda-feira

A 8ª Mostra Cinema e Direitos Humanos na América do Sul, realizada em todas as capitais do país, entra em cartaz em Niterói, no Núcleo de Produção Digital de Niterói (NPD), nesta segunda-feira, dia 16 de dezembro - e permanece até quarta-feira, dia 18, sempre com sessões às 18h. O NPD vai exibir uma programação compactada, com cinco documentários produzidos no Brasil. A mostra tem entrada gratuita.

No primeiro dia serão exibidos dois filmes: o curta “Caixa D'água: Qui-lombo é Esse?”, de Everlane Moraes Santos, que resgata a história do bairro Getúlio Vargas, localizado em Aracaju (SE), através da narrativa de antigos moradores descendentes de negros escravizados; e “Doméstica”,  longa de Gabriel Mascaro em que sete jovens se tornaram cineastas amadores durante uma semana e filmaram o cotidiano de suas empregadas domésticas. Na terça-feira será exibido “Kátia”, de Karla Holanda, que conta a história de Kátia Tapety, a primeira travesti eleita a um cargo político no Brasil.

O último dia, quarta-feira, conta com As Hiper-mulheres”, de Takumã Kuikuro. Com receio de que sua esposa, já idosa, venha a falecer, um velho pede ao sobrinho que realize o Jamurikumalu, maior ritual feminino do Alto Xingu (MT), para que ela possa cantar uma última vez. Ainda neste dia, será exibido o curta “Brasília Segundo Feldman”, de Vladimir Carvalho, sobre um registro feito pelo designer Eugene Feldman quando visitou Brasília, na época de sua construção. Carvalho é o diretor homenageado da Mostra em 2013.

A 8ª Mostra Cinema e Direitos Humanos na América do Sul é realizada pela Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, em parceria com o Ministério da Cultura, e vai exibir 38 filmes em formato digital nas 27 capitais brasileiras e no interior do país até o dia 22 de dezembro, alcançando mais de 600 pontos extras de exibição através de cineclubes, pontos de cultura, institutos federais de educação profissional, científica e tecnológica, universidades, museus, bibliotecas, sindicatos, associações de bairros, telecentros, entre outros. De acordo com a ministra de Estado-Chefe de Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, Maria do Rosário Nunes, a proposta da mostra é utilizar a linguagem cinematográfica para estabelecer um diálogo direto com a população. Ela explica que o evento tem o papel de disseminar e fortalecer a educação e a cultura em Direitos Humanos, alcançando os setores historicamente excluídos ou com menos acesso a bens culturais.

Iniciada em dezembro de 2006, em alusão ao aniversário da Declaração dos Direitos Humanos, a 8ª Mostra Cinema e Direitos Humanos na América do Sul é uma produção da Universidade Federal Fluminense (UFF), através do Departamento de Cinema e Vídeo, com apoio da OEI, UNIC-RIO, CTAv, EBC e patrocínio da Petrobras e BNDES. Coordenador da oitava edição da Mostra e Chefe do Departamento de Cinema e Vídeo da UFF, o professor Cezar Migliorin reitera: “uma Mostra de Cinema e Direitos Humanos traz a possibilidade de estarmos recolocando constantemente a necessidade de pensarmos e praticarmos o que são os direitos universais das mulheres e homens do planeta. O cinema traz as perguntas e práticas dos direitos humanos para o cotidiano, para as narrativas e histórias de vida que frequentemente seguem à margem das grandes mídias ou das narrativas dominantes”.

O Núcleo de Produção Digital de Niterói (NPD) fica na rua Visconde de Uruguai 300, centro de Niterói. Mais informações: 2622-1324.


Serviço
8ª Mostra Cinema e Direitos Humanos na América do Sul
Quando: De 16 a 18 de dezembro, sempre às 18h
Onde: Núcleo de Produção Digital de Niterói (NPD) (Rua Visconde de Uruguai 300, centro, Niterói)
Evento gratuito

Programação

Dia 16, segunda-feira
Caixa D'água: Qui-lombo é Esse?
De Everlane Moraes Santos; Brasil, 2012. 15 min. Documentário. 10 anos.
Resgate da história do bairro Getúlio Vargas através da narrativa de antigos moradores descendentes de negros escravizados, enaltecendo a importância da oralidade na preservação da cultura afro-sergipana presente nesta região.

Doméstica
De Gabriel Mascaro, Brasil, 2012. 75min. Documenário. Livre.
Durante uma semana, sete jovens se tornaram cineastas amadores e filmaram o cotidiano de suas empregadas domésticas.


Dia 17, terça-feira
Kátia
De Karla Holanda, Brasil, 2012. 74min. Documentário. Livre.
História de Kátia Tapety, a primeira travesti eleita a um cargo político no Brasil.

Dia 18, quarta-feira
Brasília Segundo Feldman
De Vladimir Carvalho, Brasil, 1979. 20min. Documentário. Livre.
Material documental filmado pelo 'designer' americano Eugene Feldman, em visita a Brasília na época de sua construção.


As Hiper-mulheres
De Takumã Kuikuro, Carlos Fausto, Leonardo Sette, Brasil, 2011. 80min. Documentário. 10 anos.
Com receio de que sua esposa já idosa venha a falecer, um velho pede para que seu sobrinho realize o Jamurikumalu, o maior ritual feminino do Alto Xingu (MT), para que ela possa cantar uma última vez.

Núcleo de Produção Digital exibe “Carmen Miranda: banana is my business” no dia 12/12

O Núcleo de Produção Digital de Niterói (NPD) exibe na sessão “CineMúsica” desta semana  o filme  “Carmen Miranda: banana is my business”, dirigido por Helena Solberg.  Ele será apresentado no cineclube do Núcleo no dia 12 de dezembro, quinta-feira, às 17h30, com entrada gratuita e classificação etária livre.

O documentário conta, a partir de material de arquivo e depoimentos valiosos, a história da estrela brasileira que conquistou a imaginação e o coração do mundo. Carmen Miranda, nascida em Portugal e criada no Brasil, foi uma cantora e atriz que,  já famosa na América do Sul,  em 1939,  é descoberta por Lee Shubert,  que a leva para os Estados Unidos, onde se  torna “The Brazilian Bombshell”. No entanto, para os norte-americanos era  mais conhecida como uma figura caricata que carregava um enorme cacho de bananas na cabeça. O filme tenta resgatá-la dessa trama, devolvendo-lhe o que há de mais fundamental: sua identidade.


O Núcleo de Produção Digital de Niterói (NPD) fica na rua Visconde de Uruguai 300, centro de Niterói. Mais informações: 2622-1324.

terça-feira, 10 de dezembro de 2013

Núcleo de Produção Digital exibe “Bicho de sete cabeças” dentro do Projeto Saúde Mental no Cinema

Núcleo de Produção Digital de Niterói (NPD) exibe nesta quarta-feira, dia 11 de dezembro, às 17h, com entrada gratuita, o filme “Bicho de Sete Cabeças”.

A exibição faz parte do projeto Saúde Mental no Cinema, do Núcleo de Atenção à Saúde do Servidor (NASS) da Fundação Municipal de Educação (FME), e consiste na apresentação de filmes seguidos de debates mediados por convidados. 

“Bicho de Sete Cabeças”, dirigido por Laís Bodanzky e com roteiro de Luiz Bolognesi baseado no livro autobiográfico de Austregésilo Carrano Bueno, “Canto dos Malditos”, tem Rodrigo Santoro, Othon Bastos e Cássia Kiss nos papéis principais. O filme conta a história de Neto (Rodrigo Santoro), um jovem que é internado em um hospital psiquiátrico após seu pai descobrir um cigarro de maconha em seu casaco. Lá, Neto é submetido a situações abusivas. O filme, além de abordar a questão dos abusos feitos pelos hospitais psiquiátricos, também aborda a questão das drogas e a relação entre pai e filho.

“Bicho de Sete Cabeças” recebeu vários prêmios e indicações, dentre eles, o Prêmio Qualidade Brasil, o Grande Prêmio Cinema Brasil e o Troféu APCA de Melhor Filme, além de ser o filme mais premiado do Festival de Brasília e do Festival de Recife.

Após a sessão haverá debate sobre dependência química mediado pelo psicanalista Lenilson Ferreira, autor do livro “Psicanálise: o que ela pode fazer por você”.

O Núcleo de Produção Digital de Niterói (NPD) fica na rua Visconde de Uruguai 300, centro de Niterói. Mais informações: 2622-1324.


terça-feira, 3 de dezembro de 2013

Núcleo de Produção Digital exibe “Loki – Arnaldo Baptista” no dia 5/12

O Núcleo de Produção Digital de Niterói (NPD) exibe nesta semana na sessão “CineMúsica”  o filme  “Loki – Arnaldo Baptista”, dirigido por por Paulo Henrique Fontenelle.   Ele será apresentado no cineclube do Núcleo no dia 5 de dezembro, quinta-feira, às 17h30, com entrada gratuita. 

O documentário retrata a vida e a obra de Arnaldo Baptista, líder e fundador da banda Os Mutantes, um dos grupos musicais mais importantes da MPB e fundamental no movimento musical conhecido por Tropicália. Além do próprio Arnaldo Baptista, vários artistas que acompanharam e participaram da trajetória dos Mutantes e da posterior carreira solo do músico, prestam emocionados depoimentos: Tom Zé, Sérgio Dias (irmão de Arnaldo e que,  junto com Rita Lee, integrava os Mutantes), Gilberto Gil, Roberto Menescal e Liminha. Falam também os fãs mais recentes como Lobão, Sean Lennon e Devendra Banhart,  além de Kurt Cobain e o crítico Nelson Motta. Na parte final o documentário registra a volta dos Mutantes em 2006 (com Zélia Duncan no lugar de Rita Lee), com destaque ao show em homenagem à Tropicália realizado no Barbican Centre, em Londres.

O filme foi exibido em 2008 no Festival do Rio e na Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, ganhando o prêmio de Melhor Documentário pelo  Júri Popular em ambas as ocasiões. Na trilha-sonora são ouvidos vários clássicos dos Mutantes, como “Qualquer Bobagem”, “Ando Meio Desligado”, “Balada do Louco”, “Top Top”, “Tecnicolor” e “Panis et Circenses”, algumas delas em versões raras, além de músicas da primeira banda de Arnaldo Baptista, O’Seis; de sua carreira solo; e de outros projetos idealizados pelo compositor, como a peça de teatro Heliogábalo, da qual foi diretor musical.  


O Núcleo de Produção Digital de Niterói (NPD) fica na rua Visconde de Uruguai 300, centro de Niterói. Mais informações: 2622-1324.